O potencial das redes sociais para o negócio

Muitas são as opiniões à volta das redes sociais. Uns continuam céticos em relação à sua utilidade, outros exploram ao máximo o seu potencial para dinamizarem a oferta profissional e/ou pessoal e há ainda os que usam de forma excessiva, abusiva e pouco correta. As redes sociais não são mais do que um canal de comunicação que podemos maximizar para chegar a qualquer canto do mundo de forma gratuita, rápida e eficaz, caso sejam bem aproveitadas.

A tendência é cada vez mais movermo-nos num meio digital, onde a informação é transparente e as consequências que daí resultam devem ser assumidas e encaradas de frente. Os céticos defendem que as redes sociais expõem demasiado as pessoas e/ou as empresas, que extravasam o que é correto institucionalmente e que colocam, no caso das empresas, as portas escancaradas para o mundo, o que faz com que estejam expostas aos seus concorrentes. Aqueles que não são recetivos a este canal ainda não entenderam que não é isso que irá revelar o segredo ou a alma do negócio. Ainda não sentiram o quanto poderão lucrar com este canal de comunicação que, sem qualquer custo, conseguirá colocá-los no outro lado do mundo, ajudando a dinamizar o negócio. As redes sociais são um canal de comunicação que coloca em causa o que de tradicional se tem feito e talvez seja isso que “assuste” as pessoas, ou seja, o fato de perderem o suposto controlo do seu negócio, quando na verdade não é isso que acontece.

Assusta-nos os empreendedores que não querem encarar de frente as tendências e as mudanças do mercado e que, à semelhança do que se fazia há 30 anos atrás, continuam exatamente com a mesma mentalidade pouco visionária e limitada ao quintal, cujo nome é Portugal. Como conseguiremos fazer crescer um negócio se não o comunicamos, se não o colocamos na boca do mundo? O passa a palavra, atualmente, é teclando, é estar a par das inovações do mercado, é estar à distância de um simples clique da informação que precisamos.

Foquemo-nos no lado positivo das redes sociais e aproveitemos para explorar ao máximo o seu potencial.Somos fãs incondicionais deste canal de comunicação, não só pelos motivos mencionados em cima, mas principalmente porque têm permitido aproximar-nos das pessoas que fazem sentido e trazem valor acrescentado ao dia a dia.

Falando das que somos maiores fãs – Facebook e LinkedIn – temos diferenças visíveis. Se o LinkedIn está virado para um networking puramente profissional, sério e corporativo, o Facebook consegue oferecer um misto entre o institucional descontraído e o pessoal. O Facebook aproxima as pessoas virtualmente, permitindo que de uma forma direta e prática nos identifiquemos com determinados perfis de pessoas e consigamos, à distância, ter uma perceção clara da pessoa e da sua postura para com a vida. Obviamente que a partilha de experiências, gostos, visões, opiniões, fará com que nos possamos identificar mais ou menos com determinada pessoa e por isso é que temos o conceito do perfil, fãs e seguidores. Dar um uso sério e ao mesmo tempo cool ao Facebook é um desafio que nem todas as pessoas entendem, pois ao postarem determinadas situações, ao colocarem certos comentários ou ao defenderem ações, estão a expor e a passar ao mundo a pessoa que realmente são. Por isso, é muito importante que tenhamos uma escrita clara, correta e coerente para que não hajam falsos juízos de valor e más interpretações. Conseguir tirar partido tanto a nível pessoal como profissional das redes sociais, é conseguir atingir o potencial que este canal de comunicação tem.

Durante o nosso percurso, as redes sociais facilitam chegar a pessoas que já não tinhamos contacto há muito tempo ou a pessoas que precisamos aproximar-nos a nível profissional. Se é possível despoletar negócio através das redes sociais? Sim, sem dúvida! Temos vários casos práticos onde o negócio se iniciou precisamente através do Facebook. E isto tanto a nível nacional como internacional. Em que moldes? Eis alguns exemplos:

  • Desde amigos que partilharam algo da OUTMarketing e fez com que chegássemos a uma rede de pessoas que ainda não tinhamos atingido e, consequentemente, alguém dessa rede estivesse à procura daquilo que oferecemos
  • Necessitarmos de informação a nível de estratégia e de negócio noutros mercados e precisarmos que partilhassem connosco a sua experiência e os desafios que poderíamos encontrar lá fora
  • Focarmo-nos no target, procurarmos e conectarmos fazendo com que estejam na nossa rede e tenham acesso à informação que partilhamos e que sabemos que faz sentido para o seu negócio. E, assim, aumentar o interesse em contactar-nos para ouvir mais sobre o que fazemos
  • Fortalecermos alguns contatos através da partilha bilateral de informação e criando naturalmente empatia, desencadeando uma aproximação e identificação virtual

As redes sociais têm-se revelado um fenómeno fantástico que aproxima a humanidade, tornando as pessoas mais despertas e atentas ao que se passa no mundo, sensibilizando-nos para a realidade e tocando-nos mais no lado emocional, no lado do coração. Certamente que duas pessoas que estão ligadas virtualmente, ao acompanharem o percurso uma da outra e se identificarem com o perfil uma da outra, quando há um encontro presencial, o gelo já quebrou há muito tempo e a conversa fluirá muito mais consistentemente, o que poderá desencadear, em termos de negócio, uma maior segurança, confiança e conforto. Afinal as duas pessoas tiveram acesso à informação uma da outra de forma transparente e, numa primeira fase, muito naturalmente, sem ser invasiva.

Investirmos um tempo diariamente nas redes sociais, é dar mais um passo em frente. É ter acesso às notícias do mundo, é ter acesso à inovação, ao mercado, àquilo que de diferente o mundo anda a fazer, é ver diferentes pontos de vista, diferentes modos de pensar e diferentes culturas. No fundo, é crescermos todos juntos!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Publicar Comentário